quarta-feira, 27 de maio de 2009

Lost in Anywhere

Passos incertos cambaleando no salão vazio acopanhando o som do silêncio e tornando-se cada vez mais perdido.
Rodeado de sombras que avançavam ao redor quase consumindo o ultimo resquicio de sanidade.
Tolice denominada caminho, galhos secos e fracos pra se segurar.
Seguindo o vazio, caindo.

domingo, 17 de maio de 2009

Dois blogs, duas pessoas II

Sentindo-se expremido pela profunda depressão e queimando pelo frio da insegurança, caminha a jovem mente milenar carregando o fardo da existência consecutiva à inexistência e precedendo a mesma no caminho já traçado porém indefinido e invisível.
Quando a tristeza que corre nas veias permanece inconstante, seguida por picos de felicidade baixos porém perceptíveis, a onda de desgosto acelera a circulação e corta o resto de sua sanidade.
Impercéptivel ao olho nu e ao coração inflado somente resta a destruição de tudo que existe para que surja algo que tome seu lugar, revitalizando a mera carne e o sentimento há muito esfarelado.
Embasbacado pelo fulgurante calor da esperança em temposnos quais cristais de gelo cercam seu passado e procurando um novo futuro que descongele suas lembranças e ajude a criar novas.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Dois blogs, duas pessoas I

Mais uma vez venho a esse velho, abandonado, alcoolizado e fétido blog dizer coisas ridículas da existência humana e tolas que acompanham a minha pessoa.
Por mais longas e inúmeras noites o velho coração sentia fortes pontadas de desilusão e por pequenas rachaduras o grandioso sentimento do amor se esvaia.
Pessoa triste que só tinha dor em seu interior continuava sua jornada pelas montanhas da vida, na sua casa interior, no seu mundinho.
Onde não adiantava chorar o leite derramado e somente se podia limpar essa sujeira e comprar uma caixa nova.
Tristeza malevolente que carregava o pobre cadáver em vida na maré da desiluzão, levando para lugar nenhum.
Sob um céu onde todas as estrelas e pessoas não passam de meras luzes de natal, pequenos enfeites que estão por pouco tempo, são usadas e descartadas até que precisem delas de novo.
Onde o amor é só uma palavra substituta de esperança e anterior à hipocrisia e à devastação.
Pedimos ajuda a Deus, um ser derivado de um conceito dualistico, no qual quando ultrapassado o bloqueio de seu nome torna-se um mero limite perante a insanidade da procura.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Preconceito, alienação, exclusão, violência policial e controle da mídia

Eu como todo bom indivíduo com acesso a tv à cabo acabo e/ou internet adsl acabo por assistir uma série ou outra.
Sinceramente minha favorita é The Shield (não só pela violência mas pela história que te prende @-@).
Assistindo a primeira temporada e uns episódios da segunda essa semana eu cheguei a algumas breves conclusões:
-Mostram bastante o preconceito entre brancos, negros e latinos nas terras do Tio Sam;
-Mostram a mente fechada da igreja em pontos como a homossexualidade;
-Mostram cenas de violência policial em tese desnecessária (se bem que eu acho que bandido bom é bandido morto então apoio algumas atitudes =X);
-Mostra bastante corrupção na policia de LA desde os cargos de detetive até os superiores).

O que me deixou meio de cara foi a questão da igreja, eu nunca vi tanta ignorância. Falta Gezus no coração dessas pessoas sério mesmo.
A parte do homossexualismo é relacionada ao Policial Julien que sentia atração por homens e acabou sentindo-se atraído por um criminoso de baixo calão.
Certo dia ele foi até seu reverendo e tal pessoa lhe disse que homossexualismo era uma doença dos gens assim como alcoolismo e o vicio em drogas.
Sinceramente tive vontade de desligar o PC e ir dormir de desgosto ao ler aquilo.
Eu não tenho nada contra homossexuais, o ** é deles e eles dão pra quem quiser (falando isso no sentido masculino, a questão de lesbianismo eu não lembrei de nenhum dito popular similar).
Prosseguindo, o reverendo disse a Julien que ele podia dar-lhe uma cura com a vontade de Deus fazendo uma terapia de reorientação sexual, ou seja, lavagem cerebral da igreja dele (y).

Essa série mostra muita mas muita coisa ridícula do mundo, talvez seja por isso que eu gosto dela.

domingo, 7 de dezembro de 2008

Ressuscitando


Depois de um longo período de ausência (pra não dizer falta de criatividade e saco cheio) eu retorno \o/


Não lembro quando foi a última vez que eu postei mas faz um bom tempo.

As coisas mudaram pra mim nesses tempos, meu namoro ficou firme, a banda ta indo pra frente e minha visão politica ta levemente alterada.

Como eu disse num post anterior sobre bandido ser igual barata e podermos matá-los só na base da havaiana eu mudei um pouco no ponto de vista, acho que eles merecem TAMBÉM as havaianadas pra tomar vergonha na cara ¬¬

Eu assumo que estou revoltado (e com um senso de humor maravilhoso, com direito a bateria pós-piada imaginária).

Hoje falarei sobre a guerra que tava tendo entre Israel e a Palestina.

De certo modo eu apoio Israel (não tudo, destruir escolas da ONU foi algo totalmente asqueroso).

Israel estava há anos dizendo "para de lançar míssil em mim, vou ficar hostil se você não parar".

E os palestinos continuavam por décadas.

Como diria a música Best of You do Foo Fighters levemente alterada "você foi feito pra resistir ou ser abusado".

Israel pegou a primeira opção e sentou o dedo nessa porra!

Não deu outra, em menos de um mês de ataques morreram mais de 1000 palestinos e se chegou a 25 mortes de israelenses foi muito.

Eles botaram pra foder dessa vez, e isso foi bem indelicado do meu ponto de vista.

Eu tive viajando durante boa parte desse rolo todo, como não tinha o que fazer eu comecei a acompanhar desde a primeira semana o conflito.

Não dou 5 anos pra Israel invadir de novo.

Pelo menos dessa vez o Egito ficou de fora pra não se fu fu também que nem nas ultimas guerras as quais ele perdeu território.

Benditos sejam os dias da vingança tão doce.


Ah sim, darei uma mudada no layout do blog, nem leio mais Moon Knight xD



Assunto infeliz do dia 2: Alguém tem uma sugestão de nome pra banda de punk? xD

domingo, 2 de novembro de 2008

I'm stupid and contagious...


Estive faaaaaaaaaaaaar away do blog por alguns probleminhas tipo:


1- A net caia sempre, sempre, sempre , pra todo o sempre ¬¬ (frase gentilmente copiada do meu sogro);

2-Problemas "ca" patroa;

3- Tédio supremo

4- Ensaios de sobra (sim, eu toco numa banda =D)

5-Tava sem inspiração



Agora estou novamente disposto a colocar coisas [in]decentes na bagaça.



Depois de um certo tempo postando no blog (e depois de começarem a ler ele, o que é algo extraordinário sendo que só eu lia o que escrevia, tipo diário), receber críticas (de preferência ao meu texto e não à minha pessoa) e ver que tem bastante gente que pensa igual a mim ou pelo menos de modo parecido, eu to relativamente feliz xD


E agora vai começar a putaria...



Post inútil da vez (depois de muito tempo sem falar porra nenhuma).Hoje vou falar sobre a lei contra a jogatina (bingos, cassinos e caralho a 4) e sobre qualquer coisa que me dê na telha no meio do caminho.
Motivo do Post: Não tinha o que fazer e lembrei de um parente meu que era deputado, fez projeto de lei pra anexar o Paraguai ao Brasil e fez um outro projeto pra mudar as cores da bandeira para vermelho e branco (bandeira da Polônia? xD).Agora ele defende a liberação dos cassinos e afins.
Post própriamente dito (carai! *joga o pão na banha* [piadinha interna:off]):
Eu sou contra a proibição dos cassinos e afins. Primeiro porque os que estavam dentro da lei pagavam seus impostos, tinham funcionários com carteira assinada e faziam o capital circular.Segundo, os que eram ilegais continuam existindo, conheço relatos de gente da polícia que descobria lugares assim e ia extorquir os donos do lugar.Pense no número de cassinos que havia no Brasil, pense em quantos ficaram desempregados, pense agora que as pessoas vão pra fora do país pra jogar ou vão sustentar a ilegalidade.Agora os moralistas santinhos de pau-oco vem dizer "mas pessoas ficam viciadas em cassinos e perdem suas vidas lá", eu acho que isso já tem a ver quanto à liberdade individual da pessoa, assim como eu já fui criticado por beber e acho que isso tem a ver com o que a pessoa acha melhor pra ela.Uma pessoa que vai a um cassino tem completa noção do que vai fazer lá e sabe que tem poucas chances de vencer mas mesmo assim vai porque quer, assim foi desde a primeira vez e vai continuar sendo assim.Como diria o meu pai, é tudo uma questão de organização.Imagine levar para um lugar como o Nordeste brasileiro uma rede de cassinos, o clima propício, o povo precisando de emprego e um lugar onde só gente que queira jogar alto se aventure a ir. É perfeito!!Mas quando digo Nordeste não digo as praias famosas, eu digo ou um lugar isolado, tipo sertão e que melhorasse o lugar ou uma praia que não seja famosa.Resolvido o problema!!!
Não vamos esquecer a hipocrisia do governo nesse ponto, existem as Loterias da Caixa, que rola uma bela grana por esses meios.
Agora pegando o tema proibição, proibir algo é ridículo, é o velho esquema do "o que é proibido é mais gostoso" sem contar a velha LIBERDADE INDIVIDUAL!Nós temos esse direito de liberdade assegurado pela nossa constituição mas é uma liberdade limitada O.oLegal que a liberdade sobre nós mesmos quem escolhe é um outro indivíduo que nunca vai passar na tua frente. Citando o exemplo clássico dos Clássicos, a prostituição, profissão mais velha de todas e por aí vai.Se prostituir não é crime segundo a lei, porém não é visto como profissão.A lei diz que você tem direito sobre seu corpo e todas as partes dele mas não pode vender nem emprestar (lá se vai minha oferta do meu rim no mercado livre) mas pense, há uma brecha lindíssima na lei nesse ponto.A lei é contra no caso da pessoa transar em troca de dinheiro porém, e se a pessoa fizer sexo casual com outra pessoa e o indivíduo quiser fazer uma doação de uma certa quantidade de dinheiro pra outra? Isso não é crime, mas perante os olhos do povo é a mesma coisa.
O que o povo chama de moral e bons costumes não passam de limites criados por pessoas que fazem usufruto de muita coisa do que eles proíbem (sim, hipocrisia).Quantas vezes você não ligou a tv e já viu reportagens sobre senadores, deputados e afins que fazem festinhas envolvendo prostituição, inclusive de menores de idade e que muitas vezes envolve dinheiro público.
Certa vez meu amigo andarilho fez um adendo à nossa conversa falando sobre as drogas e de uma teoria sobre a proibição delas.A teoria dizia que o começo foi nos EUA onde havia preconceito gigantesco(e ainda há) com 2 tipos de gente (falando do jeito comum e generalizando), os latinos e os negros.Como não era possível prender essas duas classes o máximo que podia ser feito era prender por algo que eles fizessem ou pela posse de determinada coisa, aí surgiu a proibição das drogas.É uma idéia bem plausível se levar em conta que acontece até hoje porém é um problema bem mais velho.
Considere as propriedades medicinais de muitas das drogas por exemplo. Propriedades ignoradas.Não faço apologia às drogas, não sinto interesse por elas (só a marvada cana que me atrapaia) porém é como eu disse, o que é proibido é mais gostoso.O governo proíbe as drogas, os traficantes tem posse delas, o usuário compra dos traficantes, o dinheiro do tráfico financia a violência.A liberação pode não extingüir o tráfico mas com certeza dará uma diminuída.
Outra proibição estúpida que tentaram implantar foia proibição da venda de armas de fogo.O governo querendo impedir o povo de se proteger.Meu amigo andarilho diz que não adianta (odeio o modo pacifista dele) porque se você mata o cara pra defender sua vida ou a de alguém está bem agora se entra um ladrão na sua casa você vai matá-lo por isso?Eu por exemplo não mataria, só daria um tiro na perna e "brincaria" com ele um pouco =D[Psicopata mode: stand by]
Imagine-se na situação de ter uma arma em casa, carregada, um bandido entrar na casa e começar a apontar a arma pra sua família, reação normal meter um balaço na cabeça do infeliz o.oSe a lei tivesse sido aprovada você defenderia sua casa com a havaiana na mão (Y)

Governo says: Bandido = Barata, uma havaiana na mão ta "bão"
Malditas proibições.



Ah sim, o texto ta levemente incompleto porque eu perdi o fio da meada (me chamaram pra almoçar quando tava escrevendo).

Poesia do dia:
Pirulito que bate-bate
Pirulito que já bateu
Ou tranca bem a porta ou você se fodeu =D
Até me emociono com minha criatividade.
Coisa que não faço há um bom tempo é dar dica de alguma coisa então hoje vai minha dica de livro:
Musashi de Eiji Yoshikawa. Conta a história de um espadachim japonês extremamente overpower, Miyamoto Musashi (depois de ler isso ele ganhou 50000000000000000 moral points comigo).

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Post da madrugada, não vai prestar...


Corvinho juvenil e nem um pouco inocente voltando a postar após breves discussões no post anterior.

A cada dia que passa eu penso mais nas merdas que acontecem no mundo e com a minha pessoa. Nesses momentos meu modo Joseph Climber fica On e eu até me emociono *seca as lágrimas do olho pra não borrar a maquiagem viking*.

Ouvindo Courage do Manowar(farofa como diria meu amigo que coloca seu tênis pra sair pra andar )agora só pra ser tr00 e discutindo com a namorada eu finalmente cheguei àquela hora que a pessoa cai de joelhos no chão, bate os punhos fechados no peito e grita em direção aos céus "FOOOOODEUUUUUUUUU BATMAAAAAAAAAAAAN!!!!!!!" >.<

Chega aquela hora que tu pede penico, bate no chão do ringue, o treinador joga a toalha e o desejo da luta acaba. Nessa hora me mate, não dá pra viver na desonra de desistir!

Viking que é viking grita "fodeu Batman", levanta a espada e sai correndo pra batalha mesmo que esteja em desvantagem infinita, ao menos morreu tentando.

Eu tentei várias vezes e por várias vezes caí e gritei até o Batman dizer "CALA A BOCA FILHO DA P***!!!" e vou continuar gritando toda vez que der merda.

Credo, comecei um post de fossa e to ficando levemente encorajador o.o

Manowar é farofa mas faz milagres.

Crianças nunca discutam quando suas avós mandarem vocês comerem muita farinha.



Passada a fossa-relâmpago vamos a um tema interessante (que eu vou pensar enquanto falo porque não planejei porra nenhuma).

Nos coments do post anterior a Juh fez a gentileza de dizer que eu só falo mas nunca fiz porra nenhuma pra mudar o mundo.

Muito bem, vamos fazer algo pra mudar o mundo!!!

Ela como pessoa de igreja (e ex-aluna do sagrada) deveria se lembrar dos dizeres "não vou lhe dar o peixe mas vou te ensinar a pescar" ou algo do gênero =D

Pois bem, não ache que eu vou pegar um fuzil e invadir a prefeitura de PG, catar o Wosgrau pelos (poucos) cabelos e mandá-lo pro COOOOOOLOOOOOOO DOOOOO CAAA-PEEEEE-TAAAAAAA!!!!

Ia adiantar de que eu fazer isso? Ir pra cadeia como assassino, ferrar com a minha vida toda (e com as das pessoas ao meu redor) pra continuar a mesma desgraça (ou piorar).

Como diz o Lucas (que ela fez a gentileza de citar também) eu fico feliz em compartilhar minhas idéias com os outros e talvez mudar um pouquinho a cabeça de alguém, não totalmente, eu não quero cópias de mim, eu quero que a idéia passe adiante e vá se aprimorando.

Se isso não é fazer algo eu me pergunto "o que é?".

Você Juh também me criticou pelas músicas que eu escuto que me MANIPULAM! Não creio que me manipulem, mas assim como eu quero fazer com as minhas idéias, quem compõe tais músicas pretende o mesmo.

Exceto Cake, esses eu nunca vi mudar a vida de ninguém.

Se você vê filmes, entrevistas, textos e músicas criticando a situação governamental é porque o povo está insatisfeito e não pode ter uma vida de princesa que recebe todos os luxos (que muitas vezes você mesma não considera isso).
Agora juntando o negócio das músicas com a parte (que me toca) que eu não faço nada pra mudar, você como futura historiadora deveria se lembrar das aulas sobre ditadura militar e como os músicos escondiam mensagens de revolta nas músicas. Teve algum período de maior instisfação quanto à liberdade nessa terra pós proclamação república além do período ditatorial?
Eu pelo menos não me recordo.
Ah sim, agora você bateria na mesma tecla de que eu sou bêbado, não pago imposto, que eu não trabalho e por aí vai.

1-Não é por falta de vontade que eu não trabalho;

2- A pinga que eu tomo também tem imposto (se não tivesse eu beberia bem mais por mês);

3- Eu quando quero(por exemplo desde os 12 aos 14 anos enquanto você não se decidia se era paty ou gótica do Palladium) ou a situação aperta sou artesão, no caso também da classe proletária;

4- Imagina que eu arranjo um trabalho agora, mão de obra não especializada. Vou ser o que? Pedreiro?? Não consigo nem levantar meio metro de parede...


Outro quesito que me deixou embasbacado foi quando você disse que não estavam colocando armas na sua cabeça pra te fazerem pagar o dízimo. Aí entra a questão psicológica, certo Alendra?

Quem consegue acreditar num mundo de sonhos acredita nas palavras das pessoas de bem como as do link aí.


Você realmente se superou nos comentários, tá de parabéns em todas as suas participações nesse blog. Só precisa aprender a fazer uma crítica às idéias sem partir pra ofensa pessoal. Perdeu uma belíssima oportunidade de ficar quieta.


A boa educação e a etiqueta me diriam pra manter-me calado e evitar desentendimentos mas como você me conhece há bastante tempo sabe que tem duas coisas que eu não tolero, grosserias e cebola na comida...

Agora citando novamente o Lucas (como você adora) "a alteridade disse que já vem..."


Agora citando você mesma que disse "infelizmente -ou felizmente- nós vivemos em sociedade" e tem uma coisa que nós aprendemos desde a infância que é crucial pra boa convivência, no caso, escutar as idéias dos outros, mesmo que você discorde e se tem alguma crítica se prenda à idéia e não à vida do autor.